Publicador de conteúdo web

Contexto Corporativo e Mercadológico

Em 2007, o Grupo Carrefour consolidou sua instituição financeira para oferecer novos produtos e serviços aos Clientes do Cartão Carrefour. Surge a marca Carrefour Soluções Financeiras - CSF.

Ainda no ano de 2007, novos produtos foram lançados, com destaque para o Saque, PagContas e o Parcele, bem como, a parceira com a Bandeira Visa, que proporcionou a oferta do cartão híbrido, com aceitação nas lojas Carrefour e em toda a rede Visa no Brasil e exterior.

No ano de 2009, o Banco CSF S.A. passou a emitir cartões com chip, tornando-se o primeiro banco de Varejo a oferecer esta inovação aos seus clientes, agregando maior praticidade e segurança.

Em 2010, iniciamos uma nova parceria com a  Bandeira Mastercard,  uma nova parceria a qual contribuiu para ampliar as opções de escolha de meio de pagamento para os clientes do cartão Carrefour.

Neste primeiro semestre, trabalhamos as ações de incentivo ao uso do cartão em toda a rede Carrefour e permanecemos com as ações de incentivo à utilização dos cartões bandeirados em todos os estabelecimentos.

Em relação aos serviços vinculados aos cartões, permanece em destaque o parcelamento de fatura com ações focadas na adequação do público elegível, bem como uma nova estratégia de segmentação da taxa de juros, crescendo cada vez mais a sua participação na margem financeira.

Em nossa estratégia de ativação, permanecemos trazendo aos clientes oportunidades de descontos a semana toda nas lojas Carrefour, e ainda, ações de incentivo ao uso no 'setor alimentar' através de descontos e prazos exclusivos com o Cartão Carrefour, aliadas também às campanhas da própria rede Carrefour. No setor 'não-alimentar', propiciamos cada vez mais diferenciais no parcelamento e prazos de pagamentos.

 

 

Em toda a régua de comunicação fomentamos canais como e-mail e celular conjuntamente com o uso recorrente da rede Carrefour para divulgação de nossas promoções e diferenciais.

Desempenho Econômico-Financeiro - Consolidado

Ativos e Passivos

O Ativo total do Banco CSF S.A. atingiu R$ 3,3 bilhões. Os ativos circulantes, de R$ 2,5 bilhões, são 16,6% inferiores aos passivos de curto prazo.
 

Ao final do exercício, as operações de crédito somaram R$ 2,8 bilhões, 20,8% superior a junho de 2012. As operações de crédito classificadas nas faixas de menor risco, de "A" até "C", representam 83,2% do total das operações de crédito, ante 80,5% em junho de 2012. Tal percentual reflete o comportamento do mercado de cartão de crédito e está no patamar condizente à estratégia da Companhia.

O percentual da provisão para risco de operações de crédito posicionou-se em 13,5%, ante 15% em junho de 2012.

Patrimônio Líquido e Lucro Líquido

O Patrimônio Líquido atingiu o montante de R$ 689,5 milhões. O Banco CSF S.A. registrou Lucro Líquido de R$ 82,5 milhões no primeiro semestre de 2013, ante R$ 59,5 milhões para o mesmo período de 2012. O Resultado Operacional no exercício de 2012 foi de R$ 134,6 milhões, ante R$ 103,1 milhões em dezembro de 2012.
 
Recursos Humanos
 
O Banco CSF S.A encerrou o exercício de 2013 com 408 colaboradores, que possuem como principais benefícios: assistência médica e odontológica de qualidade, auxílio creche, cesta alimentação, previdência privada e acesso a atividades culturais promovidas pela instituição.
 

 

 

Prêmios e Reconhecimentos

Pelo terceiro ano consecutivo, o Banco CSF S.A. foi apontado como um dos 50 maiores Bancos do país em patrimônio líquido pela revista Exame no ranking de "Melhores e Maiores". 

No ranking de 2013, o Banco também alcançou a primeira posição em rentabilidade sobre patrimônio, e a terceira maior riqueza criada por funcionário, ficando à frente de grandes instituições financeiras.

Agradecimentos

A administração do Banco CSF agradece aos clientes pela preferência, confiança e fidelidade e, aos colaboradores, pelo empenho e talento que nos permitiram obter resultados consistentes

GRC - Gestão de Riscos e Compliance
GRC - Gestão de Riscos e Compliance
 

A Gestão de Capital está ligada à Gestão dos riscos da instituição, sendo essencial  para garantir o uso adequado do capital e a melhor relação risco x retorno para o Banco.

O gerenciamento e o monitoramento dos riscos envolvidos nas diversas atividades do Banco CSF S.A. são realizados pela Diretoria de Compliance, que coordena diretamente as atividades relacionadas à Gestão do capital, Riscos de liquidez, Risco de mercado e Risco operacional e também monitora as atividades relacionas ao Risco de Crédito.

Estas atividades são monitoradas através de políticas, de controles, estabelecimento de estratégias de operação, determinação de limites e do acompanhamento constante das posições assumidas através de técnicas específicas, consoante às diretrizes estabelecidas pela Administração.

Risco Operacional

A Gestão de Risco Operacional tem por objetivo a identificação, avaliação e monitoramento dos riscos operacionais, conceituados na Resolução nº 3.380/06 do Conselho Monetário Nacional - CMN, aos quais a instituição está sujeita, e a conseqüente adoção de medidas preventivas. Tais ações visam resguardar nossa imagem de integridade e correção perante a comunidade, acionistas, colaboradores e autoridades reguladoras, gerando benefícios resultantes da boa gestão destes riscos.

Em conformidade com a política institucional, a gestão do risco operacional é de responsabilidade da Diretoria de Compliance que além de coordenar diretamente as atividades inerentes ao processo, desempenha também o papel de disseminador da cultura de prevenção ao risco operacional pela instituição.

Para o cálculo da parcela de alocação de risco operacional, é utilizada a Abordagem Padronizada Alternativa Simplificada.

Risco de Mercado

O risco de mercado está relacionado à probabilidade de perda decorrente dos impactos de flutuações dos preços e taxas de mercado sobre as posições ativas e passivas. A política do Banco CSF S.A. em relação a riscos de mercado é conservadora, mantendo baixos níveis de exposição, atualmente todas suas operações são classificadas na carteira de não-negociação (banking).

As estratégias e os limites são definidos pelo Comitê de Ativos e Passivos (ALCO) e seu cumprimento acompanhado mensalmente pela Diretoria de Compliance, através de métodos e modelos estatísticos e financeiros desenvolvidos de forma consistente com a realidade de mercado.

A metodologia para apuração do VaR é baseada no modelo paramétrico, com intervalo de confiança de 95%. Além do VaR, são adotados cenários de estresse os quais são elaborados considerando situações hipotéticas e com base em dados históricos para as taxas de mercado, verificando os possíveis impactos nas posições.

Complementando a estrutura de acompanhamento, controle e gestão de riscos de mercado, são calculados mensalmente os valores exigidos de capital para cobertura das exposições ao risco de mercado, em conformidade com as Resoluções do Conselho Monetário Nacional - CMN.

Risco de Liquizez

Risco de Liquidez é definido como a possibilidade da Instituição não conseguir honrar eficientemente seus compromissos no curto e longo prazo, e de não conseguir negociar uma posição de ativos a preço de mercado devido a seu tamanho elevado em relação ao volume normalmente transacionado ou em razão de alguma descontinuidade do mercado, ocasionando perdas significativas à Instituição.

As estratégias de liquidez, como linhas de contingências e reserva mínima diária são decididas pelo Comitê de Ativos e Passivos, com o objetivo de avaliar o comportamento das posições de entradas e saídas, que sensibilizam a liquidez da instituição, bem como tomar decisões acerca dos cenários de estresse, assumindo hipóteses de condições adversas que venham a dificultar a liquidez da instituição.

A responsabilidade pelo acompanhamento, monitoramento e elaboração de políticas e procedimentos é da Diretoria  de Compliance.

Risco de Crédito

Risco de Crédito é a possibilidade de ocorrência de perdas resultantes, dentre outras, mas principalmente, das seguintes situações:

a) Da inadimplência dos tomadores de crédito na liquidação dos compromissos assumidos sob posições de empréstimos, ativos financeiros e ou seus respectivos instrumentos derivativos.

b) Da possibilidade de desembolsos financeiros para honrar avais, fianças, compromissos de crédito, coobrigações ou operações de natureza semelhante.

c) De possíveis renegociações, em termos mais desfavoráveis, das condições pactuadas na operação original.

O Banco CSF S.A. atua no segmento Varejo, via concessão de crédito a pessoas físicas que utilizam os Cartões Carrefour. A estrutura de gestão de risco de crédito envolve diretamente a Diretoria de Compliance e a Diretoria de Risco.

A Diretoria de Risco é responsável pela concessão, manutenção e cobrança, com base em regras claras e uniformes, devidamente documentadas.

A Diretoria de Compliance é responsável pelo controle voltado, principalmente ao monitoramento dos indicadores, análise de estresse e teste de aderência dos modelos. A estrutura de gestão de risco de crédito do Banco CSF S.A. deve, em conformidade com as disposições do Artigo 3º da Resolução 3.721/09 do Conselho Monetário Nacional - CMN, permitir a identificação, mensuração e controle dos riscos associados às operações de crédito, bem como a aplicação de mitigadores a estes riscos.

Gestão de Capital

Gestão de Capital é um processo contínuo de avaliação, monitoramento, controle do capital frente aos riscos incorridos pela instituição e o planejamento de metas e de necessidade de capital considerando as estratégias adotadas.

O Banco CSF S.A. mantém um nível adequado de capital em face aos seus ativos e passivos para a efetiva gestão do capital. Isso é feito através de um processo compatível e consistente com a gestão dos riscos de liquidez, mercado, crédito, operacional e outros riscos relevantes, bem como com suas metas orçamentárias.

A Diretoria de Compliance é responsável pelas atividades relacionadas à Gestão de Capital, permitindo a segregação de funções e adequando suas atividades à complexidade e as características das operações do Banco.